O PS, a Europa e as Eleições Europeias.


Rui Santos,
 ex. Director Regional de Educação do Centro 
Com Portugal a viver a pior crise económica, económica e social do pós-25 de Abril (descontando aqui o período do designado PREC que, face à mudança política desencadeada pela Revolução, não pode ser analisado da mesma forma que se analisa o regime estabilizado a partir da entrada em funções dos Governos Constitucionais) os portugueses vão ser chamados a votos nas Eleições Europeias de 25 de Maio próximo, num contexto de excepção de um pequeníssimo grupo de privilegiados, que o ano passado aumentou em cerca de 10% os seus salários multimilionários, enquanto o cidadão português comum luta contra a crise que não criou, mas agora está a ser obrigado a pagar e de que maneira.

A crise vem fazendo com que a actualidade política, pelo menos a que nos é apresentada na comunicação social, escrita, falada e televisiva seja completamente preenchida com intervenções do Governo e dos partidos que o apoiam cantando resultados que nos estariam a levar de “sucesso em sucesso” (que o comum do cidadão não consegue sentir na sua vida) para “os amanhãs que cantam com a abundância e a felicidade a pataco”. Intervenções contraditadas pelos partidos da oposição, sindicatos e outras associações representativas contrariando o discurso governativo, apontando as cada vez maiores dificuldades que a dita “política de austeridade” tem provocado aos portugueses com o aumento do desemprego e da pobreza para níveis alarmantes, o aumento da emigração dos mais qualificados e mais capazes fisicamente e com a retirada de direitos aos cidadãos que configuram um claro retrocesso civilizacional.

Este permanente confronto, que por vezes é visto aos olhos do cidadão comum como uma espécie de “luta de galos”, tem tido como consequência o quase absoluto ignorar pelos partidos e demais actores políticos, comentadores e comunicação social em geral que estamos a três meses das Eleições Europeias e da sua importância para o futuro da União e dos ´países que a integram. E este ignorar torna-se ainda mais estranho em Portugal quando generalizadamente todos atribuem à Europa/União Europeia um papel determinante na crise portuguesa, quer os que pelo seu antieuropeísmo, conservador ou de extrema- esquerda, a consideram a primeira responsável pelos nossos sofrimentos devido ao Euro e à acção da “Troica” em que a Comissão Europeia e o Banco Central Europeu são determinantes, quer os que defendem que o nosso futuro como país desenvolvido e com condições mínimas de vida digna só é possível, a partir da nossa situação actual, com um apoio da União Europeia em condições muito diferentes das actuais, só possíveis com uma significativa mudança das linhas políticas de actuação hoje seguidas pela UE.

O PS foi o partido determinante para a aceitação da entrada de Portugal na Comunidade Económica Europeia, hoje EU, defendendo esse objectivo logo durante o período pré-constitucional no pós 25 de Abril e logo nos primeiros Governos Constitucionais de Mário Soares, sem que o tenha conseguido devido à instabilidade e problemas financeiros do País no pós-PREC e mais tarde pelo associar da decisão sobre a adesão de Portugal à da Espanha que pela sua dimensão exigia uma negociação mais demorada. Mas foi ainda, também com condução de Mário Soares, quem levou Portugal à adesão em Junho de 1986, já com o PS fora do Governo que na altura tinha como primeiro-ministro Cavaco Silva que não era favorável à época à adesão(depois tornou-se e fazia gala em o afirmar no “ bom aluno da Europa”), mas acabou por respeitar os compromissos assumidos com a CEE pelo anterior Governo do Bloco Central.

Por isso é surpreendente que o PS não tenha ainda neste período a questão das Eleições Europeias como tema central da sua agenda política, em paralelo e em interligação com a situação interna de Portugal, para quem as futuras opções de política e Governação Europeia são centrais para a ultrapassagem da crise no respeito pela dignidade dos portugueses.

Surpreende-me que até ao momento o PS, possivelmente por mero tacticismo político que não costuma ter tanta aceitação como por vezes os seus mentores parecem pensar ter, ainda não tenha apresentado o seu cabeça de lista para as Eleições Europeias e que o mesmo não esteja já, em paralelo com o Secretário-Geral do PS e com outros dirigentes, a corporizar o que são a linhas de políticas europeias que desejaria ver assumidas pela UE, quer na redefinição e reorganização do modelo institucional da União e na distribuição de competências institucionais, quer nas políticas económicas e sociais que têm hoje uma prevalência muito forte face á situação de crise económica e financeira.

É certo que em relação às políticas económicas e sociais à acção diplomática junto dos diferentes parceiros europeus e instituições europeias o PS e o seu Secretário-Geral tiveram uma acção de propositura e intervenção relevante na defesa do avanço de políticas que travassem os excessos de austeridade, no trazer para agenda a necessidade das políticas favoráveis ao crescimento, da mudança do papel do Banco Central Europeu de financiador dos bancos para financiador dos Estados, da necessidade de mutualização de parte da dívida soberana dos países europeus, etc. Ao contrário, os partidos da maioria e do Governo submeteram-se, de forma pouco dignificante para o prestígio do País, aos ditames da dupla Merkel/Sarkozy e depois apenas Merkel, recusando sistematicamente associar-se às posições de países como Espanha, Itália, Irlanda, Grécia a atravessar problemas semelhantes aos nossos e em algumas situações às posições francesas de contestação as posições hegemónicas de controlo das políticas europeias pela Alemanha.

Mas essas posições do PS não têm estado integradas num programa político específico para as Eleições Europeias e têm de ser completadas com posições claras sobre as questões relativas ao aprofundamento do modelo institucional europeu para que este permita que as políticas atrás referidas possam avir a ser assumidas pela União.

O assumir de vez a necessidade do Partido Socialista Europeu avançar para a defesa dum projecto de federalismo europeu, que reforce de facto a obrigação de solidariedade entre os povos e países, as questões relativas ao “deficit democrático” pelo papel subalterno que o Parlamento Europeu, única entidade efectivamente escolhida pelos cidadãos da União, tem na definição das políticas europeias bem posta em evidência pela posição que levou ao inquérito acção da Troika nos países alvo de intervenções de ajustamento (louve-se o papel da Deputadas Elisa Ferreira nessa acção), a escolha do Presidente da Comissão Europeia, que já vai ter nestas eleições um processo novo com candidaturas pré-eleições anunciadas, as questões relativas aos efeitos da União Bancária e das vantagens de permanência ou não no Euro, mas sobretudo a defesa da Europa da solidariedade, tolerância e dos cidadãos contra a Europa dos banqueiros e dos especuladores financeiros têm de ser repostas no ordem do dia do debate político.

Com um cabeça de lista capaz de dar voz a esse programa, em paralelo com a acção do Secretário-Geral, o PS dará assim um grande contributo para evitar que as Eleições Europeias se tornem ainda mais eleições de segunda e se verifique um enorme agravamento da abstenção e uma maior e preocupante subida das forças da extrema-direita europeia e do radicalismos esquerdista que está a pôr em risco a continuidade do projecto de paz, solidariedade, tolerância e desenvolvimento que os idealistas fundadores das Comunidades Europeias, bem conscientes dos horrores vividos pelos povos europeus na 2ª Guerra Mundial, levaram para a assinatura do Tratado de Roma em 1958.

PS- Este texto foi escrito a 21/2/2014, antes de PSD e PS terem anunciado os seus cabeças de Lista para as Eleições Europeias. Isso não altera a minha opinião de que o PS deveria ter decidido o seu cabeça de lista há mais tempo, até para não ser considerado que, mais uma vez, reagiu em vez de ter agido.

Sem comentários:

Enviar um comentário