Devolvam-nos a esperança! Nós queremos trabalhar.


Pese embora todo o ruído que ouvimos durante as últimas semanas relativas aos mercados, com euforias intempestivas e com foguetório para todos os gostos, o que é facto é que a carteira do comum dos mortais, agora que a poeira começa a acalmar, continua exaurida e os sinais que se podem colher da economia real são de uma agrura imensa.
As empresas, que são sempre os melhores indicadores para perceber as coisas, estão sem qualquer capacidade para gerar emprego, o que quer dizer que os empresários continuam sem nenhuma esperança no futuro de Portugal.
É bem verdade que esta evolução, do BCE, há muito defendida pelo PS e pelo seu secretário-geral, em diversos fóruns europeus e que permitiu a alguns países, entre os quais Portugal, ir aos mercados é, em si, um dado positivo. Há, porém, todo um percurso a fazer em Portugal e na Europa que não faz parte da agenda deste governo, que é o da aposta no crescimento e no emprego e uma efetiva evolução para uma democracia europeia que eleja diretamente os seus mais altos representantes e um parlamento com efetivos poderes legislativos.
Pois bem, centremo-nos então, por exemplo, nos valores do desemprego, que não para de aumentar e que é, sem dúvida, o maior flagelo com que estamos confrontados, atingindo de uma forma particular os jovens, com valores superiores a 40%. No final de 2012 o número de desempregados registados no IEFP era de 711 mil, ou seja mais 106 mil do que em 2011 (+17,4%). E se o termo de comparação for o início de funções deste governo nós temos hoje mais 192 mil desempregados.
E quantos emigraram, entretanto, não por obediência aos despudorados apelos de Passos Coelho, mas por uma evidente necessidade de sustento da família? E quantos não constam dessa estatística fria e hipócrita?
Uma tragédia. É que a austeridade, como se sabia e se está a confirmar, alimenta-se viciosamente de si própria: austeridade gera recessão, recessão aumenta o deficit e este requer mais austeridade.
No distrito de Viseu a situação é ainda mais devastadora. Em dezembro eram 24.524 o número de pessoas desempregadas inscritas nos centros de emprego, o que significa um crescimento de 20,2% face a 2011, isto é mais 4.121 desempregados.
Impõe-se, pois, fazer ecoar um grito, nos tímpanos dos governantes: devolvam a esperança aos portugueses e a Portugal.
Acácio Pinto
Notícias de Viseu | Jornal do Douro

Sem comentários:

Enviar um comentário