"Os economistas visitantes"


O presidente do Tribunal de Contas, Guilherme de Oliveira Martins, chamou “economistas visitantes” aos agentes do FMI responsáveis pelo relatório que nos ocupou nos últimos dias e que nos querem impingir como a penitência para a nossa salvação eterna, pese embora a evidência de que os “remédios” utilizados até agora por este governo, nessa linha do “austeritarismo”, falharam redondamente.
Mas vamos a algumas considerações políticas sobre a substância das coisas.
Em primeiro lugar, este relatório é uma fraude. E é-o porque, por cobardia política deste Governo, a sua paternidade é imputada a outros quando na realidade o ADN é de Passos, Gaspar e Portas. Por outro lado tenta-se ainda imputar para o passado uma responsabilidade que resulta de uma incompetência orçamental que ocorreu durante o ano de 2012, todo ele, portanto, da responsabilidade do PSD e do CDS.
Em segundo lugar, este relatório é uma aldrabice. E é porque não podemos tolerar que as políticas para Portugal sejam definidas pelos técnicos do FMI, esses “economistas visitantes”. No nosso país há órgãos de soberania que, esses sim, têm a incumbência e o mandato para definirem as políticas a aplicar em Portugal.
Em terceiro lugar, este relatório é premonitório. E é-o porque evidencia a absoluta incompetência do Governo, transformando esta coligação num defunto político e, portanto, prenunciadora de que mais do que não ter mandato para executar os cortes aí previstos, este Governo deixou de ter condições para encetar qualquer reforma pois já ninguém lhe credita qualquer capacidade de envolvimento e mobilização da sociedade para quaisquer reformas.
Estamos, portanto, perante um Governo que dá aos portugueses, como único horizonte, a fatalidade e não a esperança, como recentemente disse Francisco Assis.
E quando assim é, só nos resta dizer que por aí não queremos ir e que por aí não vamos porque neste relatório, parafraseando Einstein, fala-se de muita coisa que conta, mas só para financeiros e ultraliberais, mas nada se fala nem nada se diz sobre aquilo que conta para todos os portugueses.
Se tudo, na vida e na política, tem um princípio, um meio e um fim, é fundamental aqui dizer que não queremos continuar no meio quando, verdadeiramente, o fim destas políticas deveria ter acabado logo a seguir ao princípio.
Acácio Pinto
Notícias de Viseu | Jornal do Douro

Sem comentários:

Enviar um comentário