O nº2


“Paulo Portas, como principal dirigente de um dos dois partidos da coligação, devia manifestamente ser primeiro-ministro, um cargo que não deixaria dúvidas sobre a sua importância e participação nas decisões fundamentais do Governo. A desenvoltura com que Passos Coelho e Vítor Gaspar o tratam  e tratam o CDS levará tarde ou cedo a um rompimento acrimonioso.”
Vasco Pulido Valente | Público | 


Sem comentários:

Enviar um comentário