Lição de Jobs: Tolere apenas os melhores ...


Jobs tinha fama de ser impaciente, petulante e duro com as pessoas à sua volta. Mas a forma como tratava as pessoas, embora não sendo louvável, resultava da sua paixão pela perfeição e desejo de trabalhar só com os melhores. Era a sua maneira de impedir aquilo a que chamava “a explosão de palhaços,” situação em que as chefias são tão educadas com pessoas medíocres que estas se confortáveis por perto. 
“Não acho que trate mal as pessoas mas se algo não está bem, digo-lhes na cara. É meu dever ser honesto”, disse. Quando lhe perguntei se poderia ter tido os mesmos resultados sendo mais simpático, ele respondeu "talvez". “Mas não é assim que sou”, disse. “Talvez haja uma maneira melhor - um clube de cavalheiros onde todos usam gravata e falam brâmane com palavras de veludo - mas eu não conheço essa maneira, pois faço parte da classe média da Califórnia.”
Mas será que todo o seu comportamento tempestuoso e abusivo era necessário? Provavelmente não. Havia outras formas de motivar a sua equipa. “As contribuições de Steve podiam ter sido feitas sem tantas histórias sobre como ele aterrorizava o pessoal,” disse Wozniak, cofundador da Apple. “Gosto de ser mais paciente e não ter tantos conflitos. Acho que uma empresa pode ser como uma boa família.” Mas depois acrescentou algo que é inegavelmente verdade: “Se o projeto Macintosh tivesse sido gerido à minha maneira, provavelmente teria sido uma confusão.”
É importante reconhecer que a rudeza e brusquidão de Jobs eram acompanhadas por uma capacidade de ser inspirador. Ele incutia nos funcionários da Apple uma paixão permanente por criar produtos inovadores e a crença de que podiam realizar o que parecia impossível. E temos de o julgar pelos resultados. Jobs tinha uma família unida e e a Apple também era assim: os seus protagonistas tendiam a ficar por lá mais tempo e a serem mais leais do que os de outras empresas, incluindo os que eram liderados por chefes mais amáveis e gentis. CEO que estudem Jobs e decidam imitar a sua dureza sem compreenderem a sua capacidade de gerar lealdade estão a cometer um erro perigoso.

Sem comentários:

Enviar um comentário