JS coloca árvore de Natal no Rossio questionando executivo camarário

No dia 22 de Dezembro de 2011, a Concelhia de Viseu da Juventude Socialista (JS) realizou mais uma iniciativa de cariz irreverente e inconformado.
Desta vez, os jovens socialistas decidiram colocar uma árvore de Natal em frente à Câmara Municipal de Viseu, composta por propostas, problemas e questões dirigidas ao executivo camarário. A árvore de Natal era assim composta por 11 temas.
Os temas abordados pelos jovens socialistas foram:

  1. Conselho Municipal de Juventude - “Qual é a desculpa agora?”
  2. Orçamento Participativo - “Quando é que se dá voz aos viseenses?”
  3. Praia Fluvial e respectiva barragem - “Praia Fluvial, Promessa Irreal”
  4. Funicular - “A obra do regime em constante manutenção e com despesas acrescidas”
  5. Mercado 2 de Maio - “Onde está a prometida requalificação?”
  6. Fixação de jovens no concelho de Viseu - “A única solução que apresentam é emigrar?”
  7. Incubadora de empresas no Centro Histórico - “Quando é que decidem apostar na inovação e no empreendedorismo jovem?”
  8. Espaços Wi-Fi – Internet sem fios - “Uma forma de potenciar o uso das novas tecnologias e dinamizar espaços públicos como o Centro Histórico ou o Mercado 2 de Maio”
  9. Museu do Quartzo - “Para quando a sua abertura?”
  10. Tecnopolis de Campo/Lordosa – “Com tantas geminações, ainda não se conseguiu avançar com esse Parque Industrial de terceira geração?”
  11. Mundo Rural – “Onde estão as estratégias de desenvolvimento sustentado do mundo rural?”
Em relação ao Conselho Municipal de Juventude, os jovens socialistas afirmam que acabaram as desculpas para não avançar com a efectiva implementação deste órgão no concelho de Viseu, depois da recente revisão da Lei dos Conselhos Municipais de Juventude. A Concelhia de Viseu da JS está totalmente disponível para colaborar e dar esse passo no sentido de reforçar a intervenção e a actividade cívica dos jovens e espera que o executivo camarário tome as diligências necessárias à implementação do CMJ em Viseu.
A Concelhia de Viseu da JS defende também a implementação do Orçamento Participativo, enquanto mecanismo de co-decisão que permite uma participação directa dos cidadãos nas escolhas a fazer pelo executivo e conseguindo direccionar parte dos investimentos e opções em função dos projectos definidos pela vontade popular.
Outro tema abordado pela JS foi a promessa feita na campanha para as eleições autárquicas de 2009, em relação à Praia Fluvial e respectiva barragem. Alertando para essa falha, os jovens socialistas decidiram oferecer uns calções de banho e também um bilhete de autocarro para Mangualde, onde o executivo camarário avançou com a praia artifical “Live Beach”.
Quanto ao Funicular, os jovens socialistas chamaram-lhe “obra do regime”, identificando os constantes problemas, manutenções e despesas acrescidas que têm surgido e obviamente o valor altíssimo que esteve na sua concepção. No entanto, a JS considera que estando já implementado, e não havendo nada a fazer contra isso, urge a procura de soluções de rentabilidade do mesmo, na medida em que, por exemplo, o Funicular não é usado nas alturas em que existe mais movimentação na zona onde se insere (período da Feira de S. Mateus).
A prometida requalificação do Mercado 2 de Maio foi outro tema que não escapou à JS, que aproveitou para questionar quando é que se pretende avançar com as alterações tão necessárias para melhorar o seu aproveitamento e promover a sua dinamização, aspectos tão solicitados pelos viseenses.
A Concelhia de Viseu da JS mostrou-se preocupada com o facto de as gerações mais jovens abandonarem o concelho, por não encontrarem oportunidades, exigindo desta forma políticas municipais que promovam a fixação de jovens no concelho de Viseu, o que só acontecerá com políticas de atracção e captação de investimento que promovam o emprego.
A implementação de uma incubadora de empresas no Centro Histórico foi também uma proposta dos jovens socialistas, os quais querem ver o executivo camarário a apostar no empreendedorismo jovem e na inovação possibilitando as condições para isso. Estaríamos assim a facilitar a criação de novas empresas e simultaneamente a contribuir para a revitalização do Centro Histórico atraindo novas empresas, novos clientes e eventualmente novos moradores.
Outra proposta da Concelhia de Viseu da JS tem que ver com a dinamização de espaços públicos através da disponibilização de acesso às novas tecnologias. Nesse sentido, propuseram que se procedesse à colocação de internet sem fios em certos locais da cidade, como o Centro Histórico ou o Mercado 2 de Maio, criando espaços Wi-Fi.
Em relação ao Museu do Quartzo, os jovens socialistas decidiram questionar quais as razões para o atraso da abertura do mesmo.
A falha na implementação do Tecnopolis de Campo/Lordosa constituiu também uma promessa não cumprida pelo executivo e denunciada pela JS. “Se a vontade era tanta em avançar com esse parque industrial chamado de terceira geração, por onde é que anda essa vontade? Será que com tantas geminações, não se consegue ter empresas disponíveis para serem acolhidas neste parque?” questionaram os jovens socialistas.
A última proposta feita pela Concelhia de Viseu da JS estava relacionada com o mundo rural. Nesta área, os jovens socialistas propõem a criação de parques agrícolas disponibilizando aos jovens agricultores um espaço onde possam implementar o seu projecto. À semelhança da criação de ninhos de empresas e de parques industriais, são da opinião de que urge dar a devida atenção à actividade agrícola, no sentido de a apoiar mais efectivamente.

Sem comentários:

Enviar um comentário