Cá se fazem, cá se consomem III









Ora viva bom povo de Portugal!
Saúdinha e boa disposição? Esperemos bem que sim, que esta afamada crise não se resolve com lamentos e choradeiras!

Na senda dos dois últimos artigos volto a focar-me na importância de aprendermos a ser melhores consumidores, dando preferência sempre que possível ao "made in Portugal" e aqui para nós "made na Beira Interior"! Já alguém me disse que andava um bocado obcecado com isto...mea culpa: ando mesmo! Custa-me perceber que ainda haja tanta gente que não percebeu que este "consumo o que é nosso" é um dos bilhetes de saída da crise!
Vamos lá à lista de hoje.

Os destaques de hoje vão para PENEDONO, o meu concelho, e como prometido um bocadinho de publicidade à "minha " empresa. Tendo uma actividade económica de iniciativa privada muito pequena, residual, não deixa de haver produtos e serviços "made in Penedono":

  • Agro-turismo QUINTA DA PICOILA, na freguesia da Granja (a minha, by the way...). Contacto com a natureza, com a actividade agrícola e pecuária, perto do Douro e de Foz Côa, a vila medieval de Penedono a 2 km, pura arqueologia industrial nas antigas Minas de Ouro da Granja... de que é que estão à espera de visitar o site e aproveitar? http://www.quintadapicoila.com
  • A freguesia da Beselga, em Penedono, tem-se distinguido por 2 óptimas razões! Uma das maiores concentrações de BTT do país, organizada pela Associção Beselguense, que atrai muitas centenas de "pedalantes" é aqui. Para 2011 estimam-se em cerca de 700 os participantes. Saiba mais em http://www.associacaobeselguense.pt ! Inscreva-se, marque quarto na Quinta da Picoila e venha conhecer onde termina a Beira Serrana e começa o Douro Vinhateiro. A paisagem é deslumbrante!
  • A partir da junça, uma planta que se encontra nos montes,produzem-se ceiras da Beselga. Pura arte, peças feitas à mão, seguindo as tradições que ainda há quem lute por preservar. Saiba mais aqui, no blog da Associação "Os Ceireiros" http://ceireiros.blogspot.com/2011/05/o-artesanato.html . Se passar pela Beselga páre e pergunte pelo Senhor Ilídio, o grande responsável pela manutenção desta arte!
  • Há 101 o Senhor meu Bisavô Joaquim da Silva Moreira criou uma pequena fábrica de redes. Redes, dessas que servem para fazermos vedações. 101 anos depois cá estamos nós a dar seguimento ao seu trabalho. J.SILVA MOREIRA&IRMÃOS LDA, no Concelho de Marco de Canaveses ( a senhora minha mãe foi levada daqui pelo senhor meu pai, puro beirão :) )!Mais info em www.jsilvamoreira.pt . A mim cabem-me exportações para fora da Península Ibérica. Transformando, por ano, cerca de 14.000 toneladas de arame em redes, arame farpado, grampos, etc etc, cerca de 60% é exportado. De Angola à Suécia, passando pela Canadá e pela Rússia (2 mercados que iniciámos em 2011), vamos conseguindo dar a volta ás dificuldades e escapando às crises! Na Suécia temos rede portuguesa a vedar auto-estradas e linhas de caminho de ferro.. Na Noruega campos militares... Na Irlanda linhas de caminho de ferro e escolas... em Espanha as linhas de TGV lá do sitio.. Na Hungria várias auto-estradas... Na Bélgica fornecemos as maiores cadeias de DIY (do it yourself)... Já sabem, quando precisarem de redes para a vedação que têm pensada peçam J.SILVA MOREIRA (JSM). Temos distribuidores em todos os concelhos do país :)!
E é tudo! Dou por terminada a trilogia "Cá se fazem, cá se consomem"! Espero que esta minha panca pelos produtos made in Portugal tenha contribuído um bocadinho só para que tenhamos noção que pequenos gestos no nosso dia a dia podem fazer a diferença para todo um país! Não se trata aqui de proteccionismo (mais faltava, um tipo que tem como função profissional exportar vir aqui com proteccionismos cegos...), mas sim de percebermos que fazermos parte de um mercado único e de um mercado global nos dá muitas vantagens, mas também nos deve dar mais consciência que se não produzirmos muito do que consumimos, em especial os produtos básicos alimentares, corremos o risco, como estamos a correr, de não ter capacidade de enfrentar as crises. E para o produtor produzir é necessário que o consumidor consuma! Sempre que possível faça a sua parte, COMPRE O QUE É NOSSO!

abraços e beijinhos!

1 comentário:

  1. Pedro, tu estás surpreendendo! Pensas bem e ages em concordância. Não são os políticos que provocam a crise; alguns deles apenas se aproveitam (tantos e de que maneira!)da incúria e laxismo da nossa gente. A crise é endémica e só se remedeia com doses cavalares de carências, pobreza e fome, enquanto não se tomar uma eficaz vacina contra o amadorismo e a passividade de quem se habituou a pedir o pão nosso de cada dia em vez de conquistá-lo com seu trabalho. Um grande abraço e espero que venhas almoçar em breve.
    Joaquim Moreira

    ResponderEliminar