Juventudes Partidárias : No jobs for the boys



A frase é de António Guterres e ficou celebre não porque tenha sido proferida pelo então primeiro-ministro, mas porque abordava um problema latente e verdadeiro.


Há umas semanas Fernando Braga de Matos escrevia que o “jobs for the boys” tinha entrado para o anedotário nacional. Mas não foram as juventudes partidárias que entraram para o anedotário nacional. Foram os interesses das pessoas que delas se servem.


Uma análise minimamente cuidada leva-nos à seguinte conclusão: muda o governo, mudam os cargos ; mudam os directores gerais; mudam-se os directores dos serviços ; batem-se recordes de nomeações porque tem sempre de haver espaço para mais um. Vai tudo ao pote.


Pedro Pais de Vasconcelos (que ajudou a fundar o PSD) ,comparou o PSD e a JSD a um clube de futebol com claque que serve de veículo ascensional a quem não consegue subir na vida por qualidades próprias.


Esta ideia ganhou ainda mais coloração quando o país assistiu ao maior número de circo jamais visto na Assembleia da Republica : uma deputada vinda da “jota” além de não saber que o nº 112 não corresponde directamente ao INEM, realizou uma chamada anónima para testar o serviço e como se isto de per si já não fosse suficiente , ainda por cima não se demite.


Mas temos para nós que existe aqui um erro de raciocínio que subjaz à ideia de que as “jotas” são para os filhos directos de Maquiavel em que os fins justificam os meios. As juventudes partidárias são , numa palavra, o melhor veículo para um jovem que se queira envolver e olhe para a politica com a nobreza de quem a quer ver ao serviço do bem comum.


Nos EUA há um movimento que se chama Rock The Vote e que tenta dar a perceber aos jovens que a melhor forma de alterarem o que não gostam dentro das juventudes partidárias e dos partidos é eles próprios envolverem-se e votarem. E é exactamente sobre esta ideia que tem de cair o acento tónico.


A todos os jovens e a si caro leitor lhe lanço este repto: se comunga da opinião de que o mérito e a competência não podem ser substituídos pela fidelidade partidária , inscreva-se num partido com o qual se identifica. Leve os seus amigos. Inscreva os seus filhos e eles que levem os amigos deles.


Não assobie para o ar e envolva-se. Hoje em dia a politica precisa mais de nós do que nós dela.

Sem comentários:

Enviar um comentário