CÁ SE FAZEM, CÁ SE CONSOMEM!









Ora viva!


Já lá vão uns meses desde a última penada que aqui deixei! Essas férias que tal? Conseguiram fugir à depressão colectiva que nos atinge ( confesso que já não me lembro de não se falar em crise em Portugal, pelo menos desde que entrámos no Euro. Coincidência??) ? Eu consegui. Tenho uma capacidade adorável de ser pouco afectado por espíritos depressivos e consigo manter uma relativa boa disposição "no matter what". Força aí aos mais desanimados!



Tenho dado especial atenção às campanhas, formais e informais, que apelam ao consumo de produtos nacionais.

A AEP tem o programa Made in Portugal - Compro o que é nosso, já há algum tempo. É um pouco limitativo, porque impede industrias em que a matéria prima vem quase exclusivamente de importação (como é a minha, mas ue diabo havemos nós de fazer se cá em Portugal não se fabrica matéria-prima em quantidade suficiente às nossas necessidades?compramos a matéria prima lá fora e depois exportamos uma grande maioria do produto, o valor acrescentado fica cá, mas pronto... :) ) de poderem aderir, mas é uma excelente iniciativa.


Nas redes sociais correm páginas e páginas a apelar ao consumo de produtos nacionais. Claro, os espertalhões na grande distribuição marcam os produtos de marca própria com códigos de barra 560, que por si não prova que o produto foi produzido por cá. Pois muito bem, deixo mais um apelo a que todos façamos um enorme esforço, mesmo que por vezes paguemos mais uns cêntimos, para consumir o que é verdadeiramente nosso. Mais rapidamente havemos de sair da crise se assim for!



E dentro do que é nosso podemos ainda descer na escala: consumamos também o que é do Interior. Não faltam casos, em especial produtos alimentares, de produção na Beira Interior ou Trás-os-Montes. Desculpem-me lá a publicidade que possa fazer, mas consumir produtos destas empresas e cooperativas é ajudar à manutenção de postos de trabalhos e criação de riqueza onde eu mais quero que aconteça. Aqui, na Beira Interior e Trás-os-Montes. Viseu, Guarda, Castelo Branco, Bragança, Vila Real. Como não tenho aqui uma lista exaustiva deixo algumas sugestões, a terem em atenção na próxima ida ao supermercado:

  • Melhores castanhas do mundo: as da Cooperativa Agrícola de Penela da Beira, concelho de Penedono. Dentro de 1 mês tudo o que é supermercado já tem castanhas. Perguntem por estas. 100% de certeza, ao contrário de outras marcas de distribuidores, que são de castanheiros beirões!
  • Maças: as de Moimenta da Beira pois claro!
  • Vinho: não falta vinho.E já dizia o outro de Santa Comba, que beber vinho dá de comer a 1 milhão de portugueses... :) Dão, Douro, Beira Interior, as possibilidades são mais que muitas e são as melhores do país! E o espumante de Moimenta da Beira, Terras do Demo? Nhami... :)
  • Iogurtes: a antiga Yoplait, na Guarda, fornece uma série de cadeias - pingo doce, continente - com iogurtes de marca branca, mas para que saibam que estão a comprar mesmo o que é daqui e não qualquer coisa importada vejam o código (não o de barras, um outro com a indicação PT). Podem saber mais aqui: http://vivercidadeguarda.blogspot.com/2010/10/iogurtes-do-frio-pt-ilt-39-cr.html e aqui, para uns de marca própria deliciosos http://vivercidadeguarda.blogspot.com/2010/10/iogurtes-do-frio-pt-ilt-39-cr.html
  • Queijos: sendo nós uma região de queijos as ofertas são mais que muitas. Da Serra, que dificilmente será "aldrabado", de Trancoso, marca Lactovil, e muitos outros que podem ser facilmente identificados pela etiqueta. Neste particular uma chamada de atenção para os queijos Kosher, para o mercado judaico, que se fazem na região da Guarda.
  • Enchidos: alentejanos? espanhóis?? negativo! o que aqui mais temos são enchidos fabulosos, de pequenos e médios produtores. Exemplo: Casa da Prisca, Trancoso.
  • Azeite: no norte dos distritos de Viseu e Guarda e um pouco por todo Tràs-os-Montes não falta azeite de qualidade superior!

Hei-de me estar a esquecer de muita coisa e muitos produtores e fábricas. Enviem por favor comentários com mais dicas, empresas e seus contactos!



Serve este post, apenas e só, para deixar a deixa: comprem o que é nosso, Portugal! e sempre que possível comprem o que é ainda mais nosso, o que produzido por beirões e transmontanos! Apliquemos à nossa região o princípio que queremos aplicar ao país!

Portugal agradece! O Interior agradece!



abraços e beijinhos!

4 comentários:

  1. recomendo a compra de queijos com o selo da ancose http://ancose.com/... sediada em Oliveira do Hospital a ancose também produz queixo próprio e assumiu desde 1981 o contraste leiteiro, a entidade gestora do livro genealogico etc etc... Associação Nacional de Criadores de Ovinos da Serra da Estrela!!! O queijo que de lá vem...ou dos seus produtores é produzido com o leite da raça ovina da Serra da Estrela!!! Não havendo assim falsificações!!!

    http://www.vinicola-nelas.pt/#jqueryimg/2.jpg ehttp://www.udaca.pt/ e Adega Cooperativa de Vila Nova de Tazem são três exemplos de vinhos de muito boa qualidade produzidos no Dão!!!

    Há com certeza outras adegas e vinicolas que produzem vinhos extrordinários e outras empresas produtoras de queijos e outros produtos regionais igualmente extraórdinários... as mesmas peço já desculpa por não as publicitar aqui....

    ResponderEliminar
  2. Olá.

    Infelizmente os iogurtes de marca própria do Continente não são feitos na Guarda, nem em Portugal. Falou-se de ser a Gelgurte a produzir também para o Continente, mas que eu tenha conhecimento tal ainda não aconteceu...

    ResponderEliminar
  3. Olá Rui!
    obrigado pela correcção!

    Companheiros, camaradas e amigos: CONTINENTE NÃO! :)

    ResponderEliminar
  4. Caro Pedro

    Com o devido respeito, a minha escolha pessoal, quando adquiro o que quer que seja, assenta numa relação entre qualidade/preço/ética, à qual nunca poderia adicionar razões de caracter puramente nacionalista. A sua opinião, aqui expressa neste post, parece assentar, tão só e apenas, num patriotismo bacoco, o qual não posso, nem nunca poderei compartilhar consigo.

    ResponderEliminar