Opção Esclarecida

Na campanha eleitoral, tivemos sondagens praticamente diárias e com vários métodos.

Nas sondagens mais recentes, o PS surge em segundo lugar, quase sempre em empate técnico com o PSD, ou seja, nenhuma atribui uma vitória clara a qualquer partido.

Defini como objectivo deste artigo fazer dois esclarecimentos.

Em primeiro lugar, esclarecer aqueles que se questionam sobre o que leva alguém a votar no PS ou voltar a querer o PS na liderança de um governo, tendo em conta que os governos de outros países que também se encontravam no poder na altura da crise internacional perderam as eleições.
De facto, não é difícil explicar tudo isto.
Perante o argumento de que nada foi feito, os portugueses preferem responder com a demonstração de que sentiram as mudanças e as reformas postas em prática.
Preferem responder com a afirmação de que o PS é o único que garante responsabilidade governativa e estabilidade, apesar do desgaste normal de 6 anos de governação.
Preferem responder que não aceitam líderes que apresentam propostas diferentes todos os dias, e que confiam na coerência das propostas dos quadros do PS e na sua capacidade.
Preferem responder sim a um serviço público eficaz e eficiente, à Escola Pública, ao Serviço Nacional de Saúde, à Segurança Social Pública.
Preferem responder sim a um país justo e sempre com a marca de modernidade e competitividade que o PS já estava a implementar.

Em segundo lugar, e porque sou daqueles que encaram as sondagens como possíveis influenciadoras de intenções de voto e acredito que as mais recentes vão “acordar” os mais desiludidos, os que se iam abster, os que iam votar em branco, pretendo também esclarecer estes grupos.
Nada melhor do que apreciar alguns dos factos e algumas das medidas dos últimos anos.

- Foi feita a reforma do sistema público da Segurança Social, defendendo e assegurando a sua sustentabilidade;
- A rede nacional de equipamentos sociais teve um aumento sem precedentes na história da democracia, com a aprovação de mais 841 novos equipamentos sociais, num total de 49.400 lugares;
- Foi aprovada a Despenalização da Interrupção Voluntária da Gravidez;
- Foi aprovado o Casamento civil entre pessoas do mesmo sexo;
- Foram eliminadas as subvenções especiais para titulares de cargos políticos;
- Houve progressos claros e identificados na Escola Pública (fomos o 2º país em que os alunos mais progrediram em ciências e o 4º em que mais progrediram em leitura e matemática;
- Foram certificadas 500.000 pessoas dando o maior passo de sempre na qualificação dos portugueses;
- Hoje, todas as escolas públicas têm acesso à internet em banda larga e 75% das escolas têm redes de área local instaladas, e foram distribuídos 1 Milhão e 700 mil computadores;
- Foram apoiadas mais de 70 mil empresas nos últimos anos através do Programa PME Investe, a que correspondem operações no valor de mais de 7.000 M€;
- A taxa média de crescimento anual das exportações subiu de 3,2% no período 2000/05 para 4,5% no período 2005/10 (fomos o 3.º país com maior crescimento das exportações na UE-15);
- Portugal é agora líder nas energias renováveis e um dos maiores produtores mundiais de energia eólica;
- Mais de metade da electricidade produzida em Portugal provém de fontes renováveis (contra 36% em 2005), permitindo evitar 800 milhões de Euros de importações de combustíveis fósseis;
- A rede de Unidades de Saúde Familiar conta com 283 novas unidades em funcionamento e com mais 450 mil novos utentes com médico de família, chegando a 3,5 milhões o número de utentes potenciais;
- Foi criado o Complemento Solidário para Idosos, para que nenhuma pessoa com mais de 65 anos disponha de um rendimento inferior ao limiar da pobreza, abrangendo mais de 270 mil beneficiários;
- O número de diplomados cresceu 20% e o número de doutorados 50%;
- Portugal tem a maior taxa de crescimento da Europa no investimento em I&D (entre 2004 e 2009, o investimento em I&D, em percentagem do PIB, passou de 0,6 para 1,7);
- Foram criadas as Lojas do Cidadão de 2.ª geração (em 2005, a rede de Lojas do Cidadão era constituída por 8 lojas, localizadas em grandes centros urbanos, mas presentemente, estão em funcionamento 29 lojas, um pouco por todo o país);
- Portugal é líder no ranking europeu dos serviços públicos online (era 14.ª) estando hoje 100% dos serviços ligados à Internet quando em 2004 apenas estavam ligados 40%.

Estes são alguns dos factos.

Os esclarecimentos estão feitos e as diferenças bem vincadas.

Chegou o momento de optar: castigar Portugal criando um futuro sem direitos e com um Estado Social apenas de caridade ou, por outro lado, defender Portugal, com uma agenda que construa um futuro justo, moderno e competitivo para todos.


(Artigo publicado em "Viseu Mais", "Farol da nossa Terra" e "Jornal do Centro")

Sem comentários:

Enviar um comentário