O tiro que passou ao lado: O senhor que sendo contra os partidos e os deputados os queria presidir…






Era uma vez…

Sem dúvida era um bom inicio de história, mas neste caso sem o tradicional “foram felizes para sempre.”Seria razoável um “Nobre” homem, que detesta o sistema político e os seus intervenientes e que tem uma palavra que muda como o vento, ser eleito Presidente da Assembleia da República? Penso que não e pelos vistos os Senhores Deputados pensam desta mesma forma, felizmente ainda estão com a cabeça fresca e conseguiram pensar de forma célere e correcta.

Fernando Nobre falhou a eleição como presidente da Assembleia da República.

Espero que tenha terminado aqui a cruzada político-partidária deste “Nobre ” homem, até por uma questão de coerência, pois dissera, ou mandara dizer por um real mensageiro, que renunciaria ao cargo de deputado caso não fosse eleito Presidente da Assembleia da República.

Fernando Nobre, o “Nobre” homem da cidadania perdeu, neste caso não usou a celebre frase “Só não chegaria a Belém se alguém lhe desse um tiro na cabeça”. Ninguém lhe deu um tiro na cabeça, mas o bater dos votos no fundo da urna da Assembleia falou mais alto e o “Nobre” homem caiu…

1 comentário:

  1. O tiro que passou ao lado da cabeça!?
    Era um tiro na cabeça! Passou ao lado, valeu pela queda como pelo respeito do valor dos direitos humanos.

    Um Tiro sem Bala! Uma Chapada sem Mão! Enfim, haja cabeça que resista a sua sentença!!!

    ResponderEliminar