Novos filhos, novos Pais


Temos assistido, nos últimos dias, a casos de violência entre os jovens adolescentes. Violência essa que, para além de incluir, ameaças verbais e insultos, passou "à séria" para a agressão física, murros, pontapés, estalos… as imagens falam por si. Pergunto eu, que se passa com estes jovens?!! Esta agressividade gratuita leva a algum lado?!! Não, muito pelo contrário, agrava ainda mais o futuro destas jovens. Uma delas já com cadastro e apenas 16 anos. Pergunto-me: o que terão os Pais destas jovens e de muitas outras que passaram por situações idênticas, a dizer sobre isto?!  
Em 1958, Anna Freud escrevia “ Ser normal durante a adolescência é, em si mesmo, anormal”. Não podemos considerar próprio do adolescente de hoje um comportamento desorganizado, que pode ter características de uma psicose, ou uma perturbação mental.
Os Pais não podem deixar de estar atentos aos problemas do dia a dia dos seus filhos. Há que distinguir o normal do patológico, as situações de toxicodependência, alcoolismo, violência física, tentativas de suicídio, depressões, anorexia, bulimia, etc.
Há momentos decisivos e os pais não podem descartar-se dessa responsabilidade, como refere Daniel Sampaio:  acordar ou deixar dormir? Faltas ás aulas, refeições , discotecas e saídas á noite, férias, futebol, concertos, namoros, e mentiras, são apenas alguns indicadores.
Não há famílias perfeitas, ser adolescente hoje não é o mesmo que no tempo dos pais actuais. Os jovens de hoje são capazes de discutir mais, de enfrentar os problemas mas, ao mesmo tempo, o aumento dos anos de escolaridade fá-los estar mais tempo sob a dependência dos pais. Vive-se mais o momento, os tempos livres têm outra dimensão, a música e a noite ganharam grande importância, ou seja, a cultura dos jovens baseia-se em valores e experiências diferentes das gerações anteriores.
Educar um filho , bem sei,  não è fácil nos tempos actuais. Mas os pais não se podem descartar das suas obrigações. Devem estar atentos,  mobilizar sem comandar, apoiar nos fracassos e incentivar os êxitos, estar com eles e respeitar cada vez mais a sua individualidade. O que não aconteceu, certamente, com estas jovens.
Para terminar, recomendo o livro “ Os Amores Difíceis” de Italo Calvino. E como sessão de cinema ,” The Tree of Life” .
Boas leituras!
Sofia Oliveira

Sem comentários:

Enviar um comentário