O País do Golfe!!!


Escrevo preocupada com milhares de portugueses que, neste momento, vivem no limiar da pobreza e que sofrem de exclusão social. Temos assistido a um folclore político que considero lamentável. Menos interesses partidários, por favor. Chega-se ao ponto de cortar pensões de 180 euros e 220 euros e, ao mesmo tempo, diminuir o IVA para o golfe até ao escalão mínimo??!! Onde está a responsabilidade social e ética dos políticos portugueses?!
Agora ouvimos falar muito da recessão económica, taxas de juros, défice, PEC´S, resgates, mercados financeiros, FMI e, inevitavelmente, aumento de impostos… Tudo gira à volta de milhões de milhares de Euros que não temos, mas que pedimos emprestado e, por isso, alguém terá que pagar essa factura…estas e as gerações futuras. Não se ouve falar de medidas de apoio social às famílias; aos idosos; às crianças; aos desempregados; a quem vive em condições de verdadeira pobreza.
Na semana passada, li no semanário Expresso (26-03-2011) um artigo relacionado com a crise social. Dizia o seguinte: “Há mais 726 pessoas a viver na rua” e “ 2133 sem-abrigo (a dormir na rua, em alojamentos não convencionais, como o carro ou casas abandonadas, ou a pernoitar nos Centro de Acolhimento Temporário) foram identificados em 2009, num levantamento realizado no âmbito da Estratégia Nacional para a Inclusão social”.
Este cenário agravou-se em 2010. A grave crise económica, o desemprego, a diminuição dos apoios sociais do Estado, a falta de pagamento de rendas ou empréstimos, a ruptura familiar, alcoolismo, toxicodependências, entre outros cenários, levam as pessoas a desistir de si, a desistir da sociedade e a irem viver para a rua. Passamos pelos sem-abrigo indiferentes às suas dificuldades, à sua história de vida, à pessoa que está sentada na rua a pedir esmola, ou a arrumar carros.
Uma Sociedade consumista como a nossa (que vive acima das suas possibilidades, que vive de sucessos profissionais, de famílias perfeitas, com as casas perfeitas e os carros de sonhos), vai lá preocupar-se com quem vive na rua?! Vive na rua porque escolheu, ou porque não quer trabalhar. Sucede que, por vezes, esquecemo-nos que fomos Nós, Sociedade, que o “atirámos” para a rua. Viver na rua pode ser uma escolha de alguns, mas para outros foi consequência da falta de apoios e meios para suprimir uma necessidade, num determinado espaço de tempo.
Termino com a sugestão de um filme, “The pursuit of Happyness” - Em busca da felicidade (2006)

Sofia Oliveira,
Assistente Social


1 comentário:

  1. Este artigo é muito estimulante, Sofia Oliveira, porque fala de pessoas de carne e osso.
    Cumprimento-a por isso.
    Joaquim Alexandre Rodrigues

    ResponderEliminar