1 Político 100 Cabeça

Nos últimos tempos temos ouvido Pedro Passos Coelho falar…De quê? Ninguém sabe…Mas não poupa em palavras…Apresentou propostas consistentes? Tem um programa de governo digno desse nome? Há um fio condutor no seu discurso? Apresentou soluções concretas e fundamentadas para os problemas com que o país se confronta??…NÃOPPC fala até se cansar…disso ninguém o pode acusar…fala até se cansar e até cansar os portugueses…um líder que não lidera, um partido verdadeiramente “partido” que teima em não se deixar liderar…

Anuncia, de forma avulsa e imponderada - sem anunciar verdadeiramente - medidas que roçam a irracionalidade. Serve-se dos portugueses como cobaias para as suas ideias soltas que, se aceites pela opinião pública, haverão de constar do tão esperado e fantasmagórico Programa de Governo. Mas a avaliar pelas críticas contundentes às n+1 medidas apresentadas até hoje por PPC, feitas pelos mais diversos actores e quadrantes políticos, a maioria dos quais do próprio PSD, receio bem que o Programa de Governo que ele afirma ter na cabeça (a que está a prémio e em parte incerta) esteja ainda em branco…

Haverá algo de mais caricato para um político que é candidato a Primeiro Ministro, do que ser comparado, por um ilustre do seu próprio partido, a um "Ovo Kinder"?? Morais Sarmento, depois desta acertada metáfora, vai mais longe e afirma numa entrevista ao Jornal de Notícias que “o actual líder do PSD, não tem provas dadas que permitam saber se vai ser um bom primeiro-ministro…não tem provas dadas e não reúne as condições pessoais e políticas para as funções a que se candidata”???...Parece que este ano, a época de caça ao Coelho abriu mais cedo e há caçadores furtivos sociais-democratas, ávidos por coelhos desprevenidos e sem cabeça…é o que parece…disparos certeiros de todos os lados…Vestidos a rigor e de arma empunhada temos Pedro Santana Lopes, seguem-se Morais Sarmento, António Capucho, Manuela Ferreira Leite, Pacheco Pereira, Nogueira Leite, …pobre Coelho que a Passos não se safa…

Estou convencida que não é tempo para ensaios…para devaneios de gente sem cabeça. Estou convencida que os portugueses, na sua maioria, estão cansados da crise, do distanciamento relativamente à Europa, da perda de poder de compra, do deficit orçamental, da divida pública, das taxas de desemprego,  do aumento das taxas de juro, estão cansados da  Moody's, da S&P e da Fitch e dos seus cortes arbitrários de rating. Os portugueses sentem-se perdidos no emaranhado de factos e na ausência de esclarecimentos. Os portugueses não querem viver neste estado depressivo, neste pântano politico onde estamos mergulhados, causado pelas sempre musculadas e inférteis guerras partidárias que juntaram à crise financeira e económica, esta crise politica que culminou com as eleições antecipadas e que a avaliar pelas sondagens, de nada servirão senão para perder tempo e reiterar o que já antes havia sido legitimado pelos Portugueses…Os portugueses estão cansados de ouvir falar de crise, estão cansados de discussões político-partidárias. Os portugueses querem soluções. Querem olhar o futuro com coragem, cientes do esforço mas esperançados.

Neste pântano político é normal que tenhamos tendência para culpar alguém…e ninguém mais bem posicionado para ser o rosto da crise que o primeiro-ministro. Face a este aglomerado de contradições, é o Governo, e o Primeiro-Ministro, a sair com baixa popularidade e com imagem desgastada. Contudo foi este Governo que, a bem do interesse nacional, operou reformas estruturantes para o País que outros apenas ousavam comentar em surdina com receio das implicações eleitorais. Os portugueses reconhecem este esforço e coragem e, pese embora o actual contexto económico-financeiro delicado, o resultado das sondagens da Marktest confirmam que o líder que ainda assim merece mais confiança é José Sócrates.

Pedro Passos Coelho não convence os portugueses porque antes de mais, PPC não convence nem governa o seu próprio partido, não o une…e um partido que não se governa a si próprio não pode ousar governar Portugal!

4 comentários:

  1. Srª Governadora Civil, já posso tratá-la assim? Seja como for, Drª Mónica, acordou muito inspirada e com uma leitura isenta da vida politica portuguesa. A sua juventude fazia-me acreditar ou pelo menos deixou-me a secreta esperança de ver ser assumido o cargo de forma diferente mas confesso que não esperava tanto sentido do dever, noção da responsabilidade e sentido de estado... ultrapassou as minhas expectativas. Não lhe digo é se bem ou mal, tire a Drª as suas conclusões! Os viseenses também as vão tirar porque farei questão de replicar o seu post no meu blog. Cumprimentos, Boa Páscoa e não abuse nas amêndoas pois muito doce faz mal.

    ResponderEliminar
  2. Drª Mónica:
    Gostei de ler a sua opinião de cidadã atenta,com intervenção pública, tal como sempre a conheci, e que sempre assinou com o seu nome o que pensava.
    Outros não poderão dizer o mesmo ou, então, começaram a fazê-lo há pouco tempo.
    Também escrevo nos Novos Horizontes e sou Secretário de Estado. Não estou diminuido nos meus direitos, por esse facto. Nunca tenha medo das palavras, mas sim dos silêncios, das opiniões ocultas ou daqueles que servem uma falsa moralidade. Por isso é que alguns se sentem ultrapassados ... quanto mais não seja ... nas expectativas. Parabéns

    ResponderEliminar
  3. E pensar que hoje é véspera de 25 de Abril!! Dia das liberdades, da liberdade de expressão de todos os cidadãos, sem excepção!! Mas parece que a censura deixou sementes para o futuro.

    ResponderEliminar
  4. Amigo JJ, respondo-lhe com o conselho que me dá, com o silêncio... que nos julguem os leitores!

    ResponderEliminar