Portugal por um canudo…


Instalou-se no nosso País, por via da irresponsabilidade dos partidos da actual oposição, uma autêntica trapalhada política que trará à grande maioria dos portugueses desagradáveis consequências no plano social. Tal realidade já se poder ver com as mais imediatas reacções de instâncias internacionais e de vários líderes políticos pela Europa fora.
A situação do País é complexa e muito difícil, como se sabe, o País não pode consentir lideranças como a que se tem podido ver no PSD a cada dia que passa. ( No próprio PSD existe quem nunca tenha visto com bons olhos a subida de Pedro Passos Coelho à liderança do partido, ainda hoje falta uma explicação sobre a recusa de Manuela Ferreira Leite em colocar Pedro Passos Coelho e Miguel Relvas nas listas de candidatura a deputados.)
No caso de existirem dúvidas, esta recente e longa entrevista de Pedro Passos Coelho a Teresa de Sousa veio levantar o mínimo de indeterminação que pudesse sobrevir: governar não é apenas palrar. Por muito que se possa discordar e desgostar de José Sócrates, o que o separa de Pedro Passos Coelho, em matéria de vivência e de conhecimento político, sobretudo na sua faceta do realismo, é simplesmente um abismo.
Seria do maior interesse para a vida do País que os portugueses fossem informados pelo próprio Pedro Passos Coelho sobre o que se propõe fazer em torno das mil e uma medidas que sempre condenou na política do actual Governo e que indicasse aos portugueses o que pretende fazer nos domínios da Saúde, Educação e Segurança Social Públicas, mas também na área da Justiça.
Vai pôr um fim no Serviço Nacional de Saúde, universal e tendencialmente gratuito? Vai modificar o Sistema Público de Educação, fazendo com que os mais humildes deixem de estudar por falta de meios? Vai privatizar a Segurança Social Pública, atirando os reformados e pensionistas para as mãos das seguradoras?
Em Suma:
“O que é que se propõe fazer Pedro Passos Coelho se, pelo acaso de um erro de atenção dos eleitores, vier a liderar o Governo de Portugal?”

5 comentários:

  1. Certo é que todos teriamos consciência que eram momentos difíceis aqueles que se avizinhavam, contudo era essencial e necessário manter um governo de pulso firme, que não se intimida por pressões e quer que a crise se dissipe o quanto antes.
    Um factor importante, será sem dúvida a ansia de poder que atravessa os partidos da oposição, que ao invés de tentarem ajudar o governo a resolver esta questão tão importante, prefere fazer joguinhos políticos para benefícios próprios. Que colocam os PORTUGUESES em segundo plano, por questões egocentricas de poder.

    ResponderEliminar
  2. Para poder responder a essa pergunta Passos Coelho tinha de saber o que defende. Pela primeira vez na história deste país temos que nos preocupar não em avaliar a ideologia de um politico, mas sim a completa ausência de ideologia e ideias próprias desse politico, uma vez que Passos Coelho tem-se demonstrado como uma espécie de alforreca politica que anda ao sabor das marés que o rodeiam. Nem quero imaginar o que seria ter alguém assim como primeiro ministro.

    ResponderEliminar
  3. Considero que se o pais está na iminencia de ter um primeiro-ministro de seu nome Pedro Passos Coelho. E de quem é a culpa? E de um Sr. chamado Socrates que cedeu a pressoes e a ideais diferentes do seu.

    Neste momento acho que eu, tal como muita gente esta desacreditada da política em portugal. Em todos os aspectos.

    Em vez de andarem numa luta de galos, a ver quem lidera a capoeira porque nao pensarem seriamente em coisas tais como:

    -Reduzir o numero de políticos existentes no parlamento?

    -Reduzir os salarios milionarios de pessoas que nada fazem por este país?

    -Acabar com obras milionarias que de nada fazem para a evoluçao do nosso pais?

    -Ajudar jovens (e menos jovens) empreendedores, com sangue na guelra, capazes de produzir riqueza e reconhecimento neste pais?

    Sao demasiadas perguntas para um governo, ou desgoverno, que teima em não dar respostas.

    ResponderEliminar
  4. Pedro Rebelo:

    A irresponsabilidade da oposição é tanta que não conseguem perceber que está em causa a situação económica do país, e que terá como seguimento uma crise social! É incrível de como é que se deita abaixo um governo e depois no dia seguinte falam em aumentos de impostos! Chegam a Bruxelas e comprometem-se de que vão cumprir o plano de austeridade! É necessário um cartão vermelho a esta oposição, que nunca mostrou grande disponibilidade em colaborar, trabalhar com este governo minoritário! Exemplo desta irresponsabilidade é o exemplo da suspensão da avaliação dos professores, que deitaram abaixo um trabalho de 6 anos! Mais palavras para quê?!...

    ResponderEliminar
  5. Peço desculpa por ter demorado tanto tempo a responder

    Pedro Rebelo: Como já tínhamos falado, este Pais as vezes é assim... como disse um grande mestre, "Quem é bom tem tendência a ser morto", isto tem acontecido ao longo de toda a humanidade.Abraço

    Angel:Quanto as tuas perguntas, acho que mais que escrever, posso ir tomar um café contigo, e explicar o meu ponto de vista, e mostrar-te o que realmente acho, e o que está a ser feito de bom e de mau... Abraço

    JMCS: Nem mais camarada, o grande problema desse senhor é mau saber, o que defender, e pior, quais os princípios. abraço

    O Moinho: Pobres daqueles que desejam o poder a todo o custo. Porque mais cedo ou mais tarde a marcara vai cair, e ai ninguém os salva. Abraço

    ResponderEliminar