O Dia D em Portugal: A Razão da Mentira Resumida



Diria Marie Eschenbach que: “A força de vontade dos fracos chama-se teimosia”! Assim se encontra o País, refém da teimosia de um líder fraco de seu nome Pedro Passos Coelho.

As notícias cada vez mais recorrentes de uma crescente contestação a Pedro Passos Coelho no seio do PSD, deixavam adivinhar um líder nervoso e instável, que dificilmente conseguiria resistir mais tempo às pressões incessantes de uma máquina partidária que não sobrevive muito tempo afastada do poder. Bem acenou Pedro Passos Coelho com o FMI, procurando dizer aos seus “boys” que depois do FMI tudo seria mais fácil.

Foram recorrentes as declarações de vários dirigentes do PSD, dizendo que a vinda do FMI seria positiva, tentando deste modo estimular a sua vinda junto dos portugueses. Mas o facto é que as medidas de José Sócrates começavam a dar resultados positivos, a credibilidade de Portugal dava passos seguros junto da União Europeia e a “máquina laranja”, ávida de poder, via cada vez mais longe a desejada crise.

É, portanto, sem surpresa que surge esta crise artificial assente na mentira de Pedro Passos Coelho, habilmente orquestrada pela máquina laranja, com Paula Teixeira Cruz a dar-lhe voz, mas prontamente desmentida por Durão Barroso, que confirmou a comunicação em Bruxelas de linhas gerais e não de medidas concretas como o PSD afirmou. A irresponsabilidade desta crise política, criada num momento crítico em que se pretendia solucionar o problema da dívida em Bruxelas, terá na nossa história um rosto, Pedro Passos Coelho e o PSD! Pobre País que geras tais filhos...

Sem comentários:

Enviar um comentário